O BLOG E EU

Qual de nós nunca disse essa frase diante de uma bela cabeleira?
"Viu o Cabelo Dela?!"
Eu digo sempre que vejo um cabelo bem cuidado.
Por ter cabelo crespo e muito rebelde, desde criança procuro melhorar minha cabeleira em casa mesmo, na hora que me dá vontade. Procuro conhecer e experimentar produtos que me proporcionem o resultado que desejo e preciso.
Presto atenção nos cabelos por onde passo. Percebo que falam exatamente como é a personalidade e estilo de vida de suas donas.
Amo produtos capilares e ainda mais, cuidar dos meus cabelos.
Pesquiso novos produtos e se realmente proporcionam o resultado prometido.
Adoro penteados e procuro saber qual o melhor para cada ocasiāo. Cortes e tendências de cor.
Por tudo isso, criei este espaço para compartilharmos juntas experiências e alegrias com nosso amado cabelo.
Até mais.
Luciana Matos
DOE SEU CABELO PARA PACIENTES COM CÂNCER!
Meninas, tenho visto muita gente perguntando nas redes sociais, se existe algum lugar onde podem levar o seu cabelo após tê-lo cortado. existem muitos, mas muitos lugares mesmo que compram cabelo humano para, claro a produção de aplique e perucas e o preço, pode variar muito de um lugar para o outro.

Existem ainda, lugares que aceitam doações de cabelo para a produção e doação de perucas para pacientes com câncer pois, sabemos que pessoas em tratamento contra essa doença, acabam ficando carecas. Você pode ajudá-las doando parte dos próprios fios. 
Existem ONGs que recebem esse material para confeccionar as perucas. Basta fazer um corte e mandar o cabelo para entidades como o Hospital do Câncer (bit.ly/1m5gfGN), e AFECC (bit.ly/1m5gsd5). Antes do envio, informe-se sobre como a ONG prefere receber a doação para seu cabelo e trabalho não sejam perdidos.
Se vai cortar suas madeixas, acho que não custa nada ajudar quem já esta fragilizado pela doença e tratamentos e ainda, tem que passar pela tristeza de ficar sem cabelo.
Fica a Dica.
Beijos


CHEGA DE VIOLÊNCIA CONTRA NÓS!
A violência contra a mulher é algo que está, muitas vezes, enraizado na cultura de homens que acreditam ser nossos donos e pior, pensam ter o direito de nos agredir física e moralmente .
Esses monstros chamados de homens, começam as agressões com xingamentos, insultos, proibições, roupas rasgadas, o primeiro tapa até que por fim, sérias agressões e muitas vezes, a morte.
Eu passei por todas essas etapas, me recordo do início de cada uma delas, sofri insultos e muita violência. De todas as formas que pode-se imaginar.
Meu agressor "amado",ex policial militar que dizia sempre: "sei bater sem deixar marcas" e por várias vezes, teve que ser detido pela policia por agressões não só contra mim mas, contra as outras mulheres que já teve e que também fugiram dele.
A vergonha e o sentimento de culpa tomaram conta de mim, como se eu fosse realmente a causadora de todo o meu mal que  acontecia, e de certa forma era mesmo porque depende de cada uma de nós dizer  "chega de violência contra nós"!     
  Eu disse basta! Gritei socorro!

Decidi  pedir ajuda. Fugi da minha própria casa, sai com as roupas que tinha no corpo. Fiz questão de levar apenas o que tinha de valor: meus dois filhos de 1 e 7 anos na época. Fui ao conselho Tutelar, ao Fórum da Vara da Infância e da Família, fui à Policia.
Contei tudo o que estava acontecendo, fui direcionada à um lugar seguro, atendida pelos polícias, assistentes sociais, diretores de escola, fui afastada do serviço sem prejuízo de vencimentos, recebi medida protetiva pela Lei Maria da Penha, a justiça foi retirá-lo de dentro da minha casa, um inquérito foi instaurado, as crianças estão comigo, seguras.
Hoje, sou atendida e assistida pela CASA ELIANE DE GRAMMONT, onde encontrei apoio, ajuda psicológica e jurídica, pessoas com os mesmos problemas e dores que eu. Um lugar onde posso contar abertamente tudo e que sofri, todos os abusos a que fui submetida, tudo que meus filhos foram obrigados a presenciar, chorar minhas angustias e dividir minhas lembranças e horrores vivenciados com pessoas que passaram ou passam pelos mesmas coisas que eu passe,i sem sentir vergonha ou me sentir diminuída pois, estou entre mulheres que sofreram como eu e entre outras preparadas para nos acolher e ajudar. 
Não sofram caladas, gritem por socorro, criem coragem, pois o medo e o silêncio não poderão lhes ajudar, só vocês mesmas!  Desta forma, passei por as etapas mas, não pela última e fatal: fugi dá morte que era anunciada!
Fica a dica!!!

CÃNCER DE MAMA TEM CURA!
O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve na mama como consequência de alterações genéticas em algum conjunto de células da mama, que passam a se dividir descontroladamente. Ocorre o crescimento anormal das células mamárias, tanto do ducto mamário quanto dos glóbulos mamários. O câncer da mama é o tipo de câncer que mais acomete as mulheres em todo o mundo, sendo 1,38 milhões de novos casos e 458 mil mortes pela doença por ano, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). A proporção de câncer de mama em homens e mulheres é de 1:100 - ou seja, para cada 100 mulheres com câncer de mama, um homem terá a doença. No Brasil, o Ministério da Saúde estima 52.680 casos novos em um ano, com um risco estimado de 52 casos a cada 100 mil mulheres. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Mastologia, cerca de uma a cada 12 mulheres terão um tumor nas mamas até os 90 anos de idade.
Tipos de Tumores
Existem diversos tipos e subtipos de câncer de mama. No geral, o diagnóstico para o câncer de mama leva em conta alguns critérios: se o tumor é ou não invasivo, seu tipo tipo histológico, avaliação imunoistoquímica e seu estadio (extensão):
Tumor invasivo ou não
Um câncer de mama não invasivo, também chamado de câncer in situ, é aquele que está contido em algum ponto da mama, sem se espalhar para outros órgãos - a membrana que reveste o tumor não se rompe, e as células cancerosas ficam concentradas dentro daquele nódulo. Já o câncer de mama invasivo acontece quando essa membrana se rompe e as células cancerosas invadem outros pontos do organismo. Todo câncer de mama in situ tem potencial para se transformar em um câncer de mama invasor.
AUTO-EXAME
Toda mulher deve fazer rotineiramente o auto-exame dos seios. Ele ajuda a conhecer bem o formato e a consistência das mamas para que possíveis alterações sejam notadas e tratadas sem demora. Uma vez por mês, de preferência no final do período menstrual, siga as seguintes instruções:

Diante do espelho
Com os braço ao longo do corpo, gire para um lado e para outro. Verifique se a região da axila está normal e se há qualquer mudança no tamanho ou formato de suas mamas. Procure inchaço, depressão ou erupção da pele. Faça estas mesmas observações com as mãos apoiadas sobre os quadris, fazendo uma pressão firme para contrair os músculos. E depois com as mãos sobre a cabeça e os braços para cima. Por último, aperte suavemente cada um dos mamilos com os dedos polegar e indicador. Se aparecer uma grande quantidade de secreção ou com traços de sangue, informe imediatamente ao seu médico.

No banho
Examine as mamas durante o banho, pois as mãos deslizam mais facilmente sobre a pele molhada. Deslize os dedos estendidos, incluindo todas as partes da mama. A mão direita examina a mama esquerda e a mão esquerda examina a mama direita. Qualquer "caroço" ou endurecimento deve ser notificado ao seu médico.

Deitada
Coloque uma toalha dobrada sob seu ombro esquerdo. Junte os dedos da mão direita e massageie com movimentos circulares toda região da mama de fora para dentro, até o bico. Repita a mesma operação na mama direita. Qualquer nódulo ou espessamento da pele (pele mais dura e grossa) devem ser observados e relatados ao seu médico. Depois, coloque a mão direita ou esquerda sobre a cabeça e faça a mesma operação desde as axilas, tanto de um lado como do outro. Atenção: Se encontrar qualquer alteração, procure imediatamente um médico. Quanto mais cedo o câncer de mama for detectado, maiores as chances de se alcançar a cura. O auto-exame não substitui os exames periódicos que você deve fazer com um médico especialista.
CÂNCER DE MAMA TEM CURA MENINAS,SE TOQUEM!
LUCAS LUCCO